Não sofra se tiver Ginecomastia

Tempo de leitura: 1 minuto

Tudo que geralmente nos incomoda ou causa constrangimento merece uma atenção melhor. Afinal, trata-se de algo que prejudica a nossa qualidade de vida e rendimento, e por isso, merece ser tratado com toda a atenção devida.

Um desses problemas sem dúvida passa pela Ginecomastia, por se tratar de uma enfermidade que atinge cerca de 30% da população masculina e a impede, muitas vezes, de se relacionar, por vergonha ou medo de expor o corpo e demonstrar o tamanho desproporcional das mamas.

Além desses fatores psicológicos, o problema também costuma gerar desconforto em função das dores e do endurecimento das mamas, por isso, um especialista precisa ser procurado.

Soluções nesses casos

Diante de todas essas consequências, o importante é saber para todas essas questões há uma solução, que pode passar por tratamentos, à base de medicamentos ou cirurgia.

O medicamentoso geralmente é escolhido quando o tempo da enfermidade não ultrapassa os 18 meses. Ou seja, quanto mais recente for a Ginecomastia, maiores as chances de tratá-la com remédios.

Já os tratamentos cirúrgicos são direcionados para quem tem o problema há mais de 18 meses e não apresentou nenhum sinal de regressão. Nestes casos, o paciente realiza uma cirurgia simples para retirar o componente glandular excessivo.

De uma forma ou de outra, como se trata de uma enfermidade que não causa nenhum outro dano a saúde, a decisão de tratamento também vai depender da maneira como o homem se sente e o quanto ele está incomodado. Então, na dúvida, busque ajuda especializada antes de tirar suas conclusões.

 

 

Comentários do Facebook