Os Tratamentos

Tratamento Medicamentoso

O tratamento medicamentoso é indicado quando a hipertrofia mamária é dolorosa, incapacitante e não melhora com analgésicos comuns. É indicado também quando provoca constrangimentos de ordem psicossocial como por exemplo evitar de tirar camiseta em público.

Deve ser instituído o mais rápido possível, pois a Ginecomastia com mais de 1 ano e meio de progressão não responderá bem ao uso de medicamentos, fazendo-se necessário a correção cirúrgica.

Classes de tratamento

Existem 3 classes de medicamentos que são indicadas para tratamento da ginecomastia: andrógenos (testosterona, dihidrotestosterona, danazol), inibidores de aromatase (anastrozole, letrozole) e anti-estrogênicos (clomifeno, tamoxifeno, raloxifeno).

Entre em contato com o Dr. Wendell

tratamento medicamentoso ginecomastia

ANDRÓGENO (TESTOSTERONA)

Antigamente acreditava-se que a administração de testosterona seria eficiente
no tratamento da ginecomastia, mas descobriu-se que sua utilidade é extremamente limitada devido à conversão para estradiol com consequente
piora da ginecomastia.

ANDRÓGENO (DHIDROTESTOSTERONA)

A dihidrotestosterona (DHT) é um poderoso andrógeno que pode ser administrado em base de gel com absorção pela pele. O sucesso no tratamento
da ginecomastia é intermediário, com média de 25% de regressão total e 50%
de regressão parcial após 4 a 20 semanas de utilização do gel.

ANDRÓGENO (DANAZOL)

Atualmente, o danazol – um fraco androgênio – tem sido usado no tratamento
da ginecomastia. Ele reduz a produção testicular de estrógenos e aumenta a quantidade de testosterona livre. Estudos mostram regressão completa da ginecomastia em 40% dos casos e melhora da dor em até 75%. Infelizmente, efeitos colaterais como edema, acne e outros limitam seu uso.

INIBIDORES DE AROMATASE

INIBIDORES DE AROMATASE

Inibidores da enzima responsável pela conversão da testosterona em estrogênio, a aromatase, têm sido usados com diferentes graus de sucesso. A testolactona causa poucos efeitos colaterais e promove redução do tamanho das mamas, mas muito raramente leva à regressão completa.

O mesmo acontece com a nova geração de inibidores de aromatase – anastrozole, letrozole. Também são eficientes na redução parcial da ginecomastia, mas quando comparados ao tamoxifeno, no entanto, demonstraram baixa eficácia.

ANTIESTROGÊNICO

Devido ao baixo índice de efeitos colaterais, custo e aliado ao fato de haver inúmeros estudos a respeito, os antiestrogênicos tem sido as drogas mais utilizadas no tratamento da ginecomastia.

O tamoxifeno, um antiestrogênico com grande afinidade pelas células mamárias têm demonstrado grande eficácia no tratamento da ginecomastia, principalmente quando está no começo. Alguns estudos demonstram eficácia de quase 100% na ginecomastia puberal (do adolescente) e de até 78% em outros casos de ginecomastia.

Atualmente, o tamoxifeno é a droga de escolha para o tratamento da ginecomastia idiopática com menos de 12 meses de história. Recentemente pesquisadores compararam o tamoxifeno com outro antiestrogênico menos conhecido – o raloxifeno. Alguma melhora foi vista em 86% dos pacientes que usaram o tamoxifeno e em 91% daqueles que fizeram uso do raloxifeno, contudo as melhoras mais significativas ocorreram no grupo que utilizou o raloxifeno, demonstrando seu uso pode ser promissor no futuro.

Tratamentos da Ginecomastia

Alguns dos médicos que poderão lhe auxiliar neste momento são os de formação em clínica geral, mastologia, pediatria, urologia, entre outros. No entanto, com o Dr. Wendell Uguetto, você vai receber todo o atendimento necessário, através de um exame completo e detalhado, prescrição médica do tratamento e acompanhamento mensal e completo. Se você ainda tem dúvidas sobre o procedimento, agende já sua consulta com o Dr. Wendell

Especialista em tratamento de ginecomastia
Sobre o Doutor

Especialista em
Tratamento de Ginecomastia

CRM-SP: 112.145

Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Doutor Wendell Uguetto fez residência em Cirurgia Geral no Hospital das Clínicas da USP e foi aprovado em primeiro lugar na residência de Cirurgia Plástica no mesmo Hospital.

Cremesp
Medicina Usp logo
Sociedade Brasileira de cirurgia plastica

Pergunte ao Dr. Wendell

Perguntas Frequentes

Após constatar o aumento das mamas, muitos homens acabam acreditando que estão com ginecomastia, sem ao menos fazer nenhum exame ou procurar por um especialista nesse tema. Ao procurar por um médico, o especialista irá fazer uma lista de perguntas para o paciente, procurando por causas do problema, assim como certificando-se de que o quadro de fato é ginecomastia. Com exames de imagem e laboratoriais, o especialista detectará as glândulas avantajadas, assim como irá constatar as doses hormonais desequilibradas no corpo do paciente. Após diagnosticar a ginecomastia, o médico poderá receitar medicamentos para regular os hormônios, assim como fazer a cirurgia de ginecomastia, um procedimento inovador que retira as glândulas mamárias, e se necessário, também retira a gordura localizada da área. De acordo com uma pesquisa feita no Hospital Santa Virgínia, em torno de 40% dos homens sofrem de ginecomastia, um problema comum e que não é vergonhoso. O ideal é que o paciente assim que sentir algum sintoma diferente na região das mamas, procure pelo especialista e não procure postergar o tratamento, que é essencial para o controle da ginecomastia

A ginecomastia é um sintoma de uma desordem hormonal no corpo do homem, e pode ser causada por diversos fatores. Os principais sintomas são: puberdade (durante essa fase da vida existe uma grande alteração hormonal no corpo do paciente), uso de remédios (alguns remédios podem alterar a quantidade de hormônios masculinos no corpo do homem), uso de anabolizantes (o excesso de hormônio masculino pode causar efeito contrário no corpo do homem, tendo a produção natural diminuída, assim como esse excesso é transformado em progesterona, hormônio feminino). Há também a causa da obesidade: e não é por causa do excesso de gordura corporal. A obesidade pode gerar problemas hormonais em homens de todas as idades ao redor do mundo. Inclusive, o aumento das mamas masculinas por causa do excesso de gordura não é considerado ginecomastia e sim pseudoginecomastia. Existem outras causas menos comuns como o uso da maconha, alcoolismo (problemas no fígado podem causar problemas hormonais), e chegada da terceira idade. Semelhante com o problema da puberdade, na terceira idade as dosagens hormonais do homem podem sofrer diminuições. A ginecomastia é um sintoma de uma desordem hormonal no corpo do homem, e pode ser causada por diversos fatores. Os principais sintomas são: puberdade (durante essa fase da vida existe uma grande alteração hormonal no corpo do paciente), uso de remédios (alguns remédios podem alterar a quantidade de hormônios masculinos no corpo do homem), uso de anabolizantes (o excesso de hormônio masculino pode causar efeito contrário no corpo do homem, tendo a produção natural diminuída, assim como esse excesso é transformado em progesterona, hormônio feminino). Há também a causa da obesidade: e não é por causa do excesso de gordura corporal. A obesidade pode gerar problemas hormonais em homens de todas as idades ao redor do mundo. Inclusive, o aumento das mamas masculinas por causa do excesso de gordura não é considerado ginecomastia e sim pseudoginecomastia. Existem outras causas menos comuns como o uso da maconha, alcoolismo (problemas no fígado podem causar problemas hormonais), e chegada da terceira idade. Semelhante com o problema da puberdade, na terceira idade as dosagens hormonais do homem podem sofrer diminuições.

A ginecomastia é um problema que pode atingir homens de todas as idades, pesos e classes sociais. Porém, em adolescentes durante a puberdade esse problema pode aparecer em maior quantidade, pois é nessa fase da vida onde ocorrem grandes alterações hormonais no corpo do adolescente, que começa a apresentar mais pelos no corpo, a voz engrossa e outras alterações. Os hormônios podem sofrer uma desregulação, permitindo assim o crescimento das mamas anormalmente. Em homens de meia idade que utilizam anabolizantes e remédios para promover o crescimento mais rápido de músculos, também podem sofrer com esse problema. Anabolizantes, além de prejudicarem outras áreas do corpo também podem causar o efeito reverso. Por aumentarem a quantidade de testosterona no corpo masculino de forma anormal, o corpo pode entender como uma superprodução, diminuindo drasticamente a produção natural desse importante hormônio. Sendo assim, o homem apresenta sintomas como a ginecomastia. Homens de todas as idades que usam maconha ou são submissos ao álcool, também são candidatos a ter essa desordem. O alcoolismo, por exemplo, pode causar problemas renais e complicações no fígado, o que por sua vez pode colaborar para o surgimento do crescimento das mamas.

O principal sintoma da ginecomastia é o crescimento das glândulas mamárias masculinas, acompanhadas ou não de gordura localizada. Inclusive, nem sempre esse aumento das mamas acontece em ambas as mamas, podendo ser unilateral. Apenas 10% a 20% dos pacientes que sofrem de ginecomastia apresentam dor nas mamas e inchaço. A glândula mamária pode ser sentida atrás da aréola masculina, ela é palpável e móvel. Possui consistência firme e é elástica. Em homens com ginecomastia, pode haver um aumento da sensibilidade do local, sentindo dor ao tocar ou deitar-se de bruços. Ao tratar o problema, todos os sintomas acabam. No caso de ginecomastia patológica e medicinal, o simples tratamento da doença associada e a interrupção do medicamento ou medicamento ilegal podem ser suficientes para regredir o tamanho da mama. No entanto, a probabilidade de regressão diminui significativamente nos casos em que a ginecomastia ocorreu há mais de um ano.

O diagnóstico de ginecomastia é clínico. Assim, a investigação é feita com base na história clínica e exame do paciente, com atenção especial para revisão do uso de medicamentos, drogas e álcool. Sinais e sintomas de doenças crônicas, como hipotireoidismo, hipogonadismo, insuficiência renal ou hepática, e tumores produtores de HCG devem ser pesquisados ativamente. A idade de início do quadro e a progressão da ginecomastia podem auxiliar no diagnóstico. Uma progressão rápida do aumento mamário pode indicar um excesso na produção hormonal. Para fechar o diagnóstico, o médico poderá fazer algumas perguntas sobre fertilidade, diminuição da líbido, disfunção erétil e perda de força e de pelos. O exame físico será feito com o paciente deitado, incluindo a palpação dos testículos e das mamas, com o tecido mamário devendo ser medido no seu diâmetro transverso. O médico ainda poderá pedir, de forma complementar, um ultrassom (ecografia das mamas) para confirmar os achados do exame clínico.

De acordo com a causa, ela não precisará de um tratamento naquele momento, como no caso da ginecomastia puberal. Como a ginecomastia nos adolescentes desaparece em 90% dos casos sem tratamento dentro de 3 anos, o tratamento ativo não é necessário, sendo apenas necessário um acompanhamento do caso, assim como da dosagem hormonal do paciente. No entanto, mamas com um diâmetro superior a 4 cm podem não regredir. Se a medicação ou uso de drogas são a causa da ginecomastia, interromper o uso pode efetivamente reduzir a ginecomastia. O tratamento de doenças subjacentes também é importante. Em casos hormonais depois da puberdade, o tratamento medicamentoso para regredir os níveis de progesterona do corpo acaba com os sintomas da ginecomastia. Porém, nem em todos os casos a ginecomastia irá regredir, principalmente se for no grau 3. Nesse caso a cirurgia de remoção da ginecomastia pode ser indicada e realizada. Inclusive, essa cirurgia está crescendo entre os homens que querem uma solução efetiva e com pouca dor na recuperação.

Ginecomastia

Conheça mais sobre Ginecomastia