Lipoaspiração em Ginecomastia

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Em alguns casos, por mais que se tentasse, não há outra solução para a ginecomastia, seja ela de grau 1, grau 2 ou grau 3, que não seja o procedimento cirúrgico. A lipoaspiração, no caso, é uma das mais recomendadas intervenções cirúrgicas a fazer quando a ginecomastia não possui outra solução natural ou menos invasiva.

Quando o tratamento cirúrgico se faz necessário?

É chegada a hora de realizar um procedimento cirúrgico quando o diagnóstico mostra progressão por 12 a 18 meses e não apresenta nenhum tipo de regressão mesmo que o paciente esteja sobre o efeito de medicamentos prescritos para a ginecomastia. Em alguns casos, a ginecomastia pode regredir também de forma espontânea.

Tais graus são classificados como elevados e devem receber atendimento cirúrgico, sem perda de tempo, por conta de possíveis impactos psicológicos que podem surgir conforme a ginecomastia avança.

Procedimentos necessários antes da lipoaspiração

Um dos motivos que reforça a pressa é o fato de que alguns procedimentos devem ser executados antes da cirurgia.

São eles perda de peso mínima necessária para o procedimento, tratamento de tumores, suspensão de consumo de substâncias como hormônios, anabolizantes, medicamentos, álcool ou maconha.

No caso da lipoaspiração, ela é escolhida quando o paciente apresenta lipomastia, que é o aumento do volume adiposo mamário. Nestes casos, a lipoaspiração é cirurgia recomendada. Mas, no caso de ginecomastia concreta, a lipoaspiração pode ser apresentada como parte do tratamento e não a solução completa.

Procedimentos da lipoaspiração

Para a realização da lipoaspiração, primeiro é infiltrada uma solução composta por soro fisiológico, anestésicos e adrenalina (este último com o propósito de diminuir o sangramento). Depois as cânulas são colocadas por dentro da pele em pequenos orifícios, chegando ao tecido adiposo (camada que vem logo depois da pele), de onde é aspirada a gordura localizada.

No caso, o local, evidentemente, é região das mamas masculinas, local onde a ginecomastia ocorre. A gordura é retirada e o local volta a ter tamanho proporcional à média masculina.

No pós-operatório as regiões operadas ficam doloridas e com equimose – áreas de coloração arroxeadas – que depois melhoram com o tempo, no caso 1 ou 2 semanas, período no qual o paciente deve ficar sobre repouso para antes voltar a sua vida. Livre, em parte ou totalmente, da ginecomastia.