Qual profissional procurar em caso de ginecomastia?

Tempo de leitura: 3 minutos

A Ginecomastia, também conhecida como “hipertrofia mamária”, vem do grego gyne = feminino e mastia = mamas. Ela é caracterizada pelo crescimento das mamas em homens.

Os homens que apresentam ginecomastia podem ser hermafroditas, o que geralmente ocorre em períodos de alteração hormonal. O aumento das mamas pode ser ocasionado por um componente glandular (glândula mamária), adiposo ou misto.

Quando há apenas o componente adiposo (acúmulo de gordura) é denominada lipomastia ou pseudoginecomastia. A grande maioria dos casos do crescimento mamário é geralmente associada à desiquilíbrios hormonais.

A ginecomastia é causada pelo desequilíbrio dos hormônios masculinos no organismo do homem, e a sua origem pode ser dividida entre: origem fisiológica (alterações do próprio organismo), patológica ou idiopática (causa desconhecida).

O que ocorre é que esse desiquilíbrio hormonal é liderado pela síntese de glândulas adiposas, nesse caso, quando existe a redução do hormônio masculino (a testosterona) há o aumento do hormônio feminino (estrogênio).

Causas da Ginecomastia

A ginecomastia possui duas principais causas, as duas estão relacionadas ao desequilíbrio hormonal do homem. Elas são:

  • Aumento do volume na região peitoral devido ao excesso de tecido mamário ocasionado pelo desiquilíbrio metabólico hormonal do organismo.
  • Acúmulo de gordura na região mamária (lipomastia ou pseudoginecomastia).

Outras causas também já foram verificadas, como:

  • Neoplasias (tumores)
  • Doenças endócrinas: hipogonadismo e hiperprolactinemia
  • Doenças sistêmicas: insuficiência renal, cirrose e inanição
  • Uso de drogas: álcool, heroína, drogas psicoativas, medicamentos usados para a quimioterapia, antidepressivos, entre outros.
  • Uso de anabolizantes.

Sintomas

Os sintomas da Ginecomastia geralmente estão relacionados a problemas nas mamas. A aparência feminina e as dores nas mamas são os principais sintomas, mas, além deles, o homem poderá ter:

  1. Sensibilidade e coceira nas mamas
  2. Acúmulo de gordura na região peitoral
  3. Crescimento elevado das mamas
  4. Em alguns casos, pode ocorrer a galactorreia (fluxo de leite).

Além desses sintomas fisiológicos, a maior problemática envolvida na ginecomastia é em relação aos aspectos psicológicos do paciente, uma vez que a autoestima do homem fica em níveis muito baixos até o tratamento.

A cirurgia pode ser a solução desses problemas, já que ela possui a capacidade de melhorar o quadro do paciente completamente. Os medicamentos e os outros tratamentos ajudam a amenizar a dor.

Qual profissional procurar em caso de Ginecomastia?

O profissional especializado no tratamento da Ginecomastia é o Mastologista, ele, junto com o endocrinologista e o cirurgião plástico, poderão estabelecer o diagnóstico e realizar o tratamento da disfunção.

A Mastologia é o ramo da medicina responsável pela investigação, estudo e tratamento dos problemas que atingem as mamas.

Diferente do que muitos pensam, essa área não é exclusiva para o tratamento feminino, uma vez que as doenças de mama também podem atingir os homens, como ocorre com a ginecomastia.

O Mastologista precisa ser consultado antes de definir qualquer diagnóstico ou procurar profissionais que realizam procedimentos cirúrgicos. Somente o mastologista poderá identificar qualquer alteração nas mamas e determinar o melhor tratamento.

Tratamento da Ginecomastia

Tratamento medicamentoso

O tratamento com medicamentos é indicado para os estágios iniciais da doença, dores nas mamas e para tratar alguma alteração psicológica do paciente.

A ginecomastia instalada há mais de 12 meses não responde somente ao uso de medicamentos, fazendo-se necessária a intervenção cirúrgica.

Tratamento cirúrgico

A cirurgia só deve ser realizada após o cuidado e a manutenção de causas subjacentes, como a perda de peso, suspensão do consumo de alimentos gordurosos e substâncias – como hormônios, medicamentos, anabolizantes, drogas e álcool.

O objetivo final da intervenção cirúrgica é melhorar os sintomas do paciente, devolver a ele o formato do peitoral mais anatômico e auxiliar na melhora de sua confiança e autoestima.

Portanto, o medicamento busca auxiliar o estágio de início da doença, juntamente com o alívio das dores e tratamentos psicológicos. Já a cirurgia diminui significativamente as mamas do paciente, devolvendo sua autoconfiança.

Comentários do Facebook