Algumas dúvidas sobre Ginecomastia

Tempo de leitura: 3 minutos

Ouvimos falar em ginecomastia com certa frequência, e o problema desperta curiosidade sobre suas causas, consequências e tratamento. Separamos algumas perguntas comuns sobre o tema.

O que é Ginecomastia?

A Ginecomastia é definida como o aumento nas glândulas mamárias em homens, o que não é uma condição perigosa, mas causa desconforto e problemas de autoestima. Pode atingir uma ou as duas mamas ao mesmo tempo.

Existem faixas etárias em que o problema é mais comum?

A ginecomastia pode ocorrer em qualquer idade, mas há períodos em que o problema ocorre com frequência maior. Devido à exposição ao estrogênio da mãe durante a gestação, muitos recém-nascidos apresentam a condição, mas ela regride espontaneamente. No início da puberdade, o problema também pode atingir garotos em que ocorre um aumento tardio na quantidade de testosterona em relação ao estrogênio. Na terceira idade, a ginecomastia também pode voltar a ocorrer, em decorrência da queda na produção de testosterona.

Quais especialidades médicas podem diagnosticar e tratar a ginecomastia?

O problema pode ser diagnosticado por clínicos gerais, mastologistas (médicos especialistas em mamas), urologistas (médicos especialistas no sistema urinário e reprodutor masculino), dermatologistas (médicos especialistas em doenças de pele) e endocrinologistas (médicos especializados no sistema endócrino). Para fazer avaliação de caso e tratamentos cirúrgicos, o cirurgião plástico é o profissional mais recomendado. Além destes, psicólogos e psiquiatras podem fazer acompanhamento do aspecto emocional dos pacientes, especialmente em se tratando de adolescentes.

Há como prevenir o problema?

Em alguns casos, a ginecomastia está associada a outras doenças, como insuficiência renal, doenças hepáticas, problemas na próstata, alguns tipos de câncer e hipertireoidismo, de modo que todas essas condições devem ser tratadas antes de se pensar na ginecomastia. Se possível, evite certos medicamentos, como alguns antibióticos, medicamentos para hipertensão e para gastrite, já que também podem causar a condição. Também é preciso evitar o álcool e drogas (como maconha e cocaína), pois há estudos que comprovam a associação dessas substâncias com a ginecomastia. Por fim, não utilize esteroides anabolizantes, uma vez que eles são causadores de desequilíbrio hormonal.

A cirurgia é a única solução?

Não. Há uma opção medicamentosa para o tratamento da ginecomastia, indicada principalmente para casos dolorosos. Há três classes de medicamentos utilizados: andrógenos (testosterona, dihidrotestosterona, danazol), inibidores de aromatase (anastrozole, letrozole) e anti-estrogênicos (clomifeno, tamoxifeno, raloxifeno). Quando os casos passam de 12 meses sem responder aos medicamentos ou sem regredir espontaneamente, a cirurgia é recomendada. Em casos mais avançados, que afetem psicologicamente o paciente, a cirurgia pode ser antecipada. O tratamento cirúrgico para ginecomastia pode ser complementado com lipoaspiração local.

O que é lipomastia?

A lipomastia, ou pseudoginecomastia, é uma condição que é frequentemente confundida com a ginecomastia, mas há uma diferença fundamental. Enquanto na ginecomastia é registrado um aumento no tecido mamário, na lipomastia o que ocorre é um aumento no tecido adiposo (gordura) das mamas, podendo ser reversível apenas com mudança de hábitos (exercício físico e dieta).

Comentários do Facebook
Dr Wendell Uguetto

Formado pela faculdade de medicina da Universidade de São Paulo(USP), o Dr. Wendell Uguetto concluiu o serviço de residência médica em cirurgia geral e cirurgia Plástica no Hospital das Clínicas da USP, Sua busca por aprimoramento resultou no prêmio Quality de Cirurgião Plástico de 2011. Hoje, Uguetto atende em dois consultórios e é membro da equipe de retaguarda de cirurgia plástica e crânio-maxilo-facial do Hospital Albert Einstein. Além de várias cirurgias plásticas, ele é especialista no Tratamento para Ginecomastia e na cirurgia de Ginecomastia.